Brasilianismo

Crítica a Bolsonaro, ‘Economist’ é liberal e também pediu saída de Dilma

Daniel Buarque

Capa da ''Economist'' chama Bolsonaro de ameaça

A edição mais recente da revista “The Economist” reitera um forte ataque à candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência. Além de chamar o candidato direitista de “ameaça”, a revista tem argumentado que ele seria um presidente desastroso para o Brasil.

Em editorial publicado nesta quinta-feira (20) com o título ''Jair Bolsonaro, a última ameaça da América Latina'', a revista analisa o momento atual do Brasil e afirma que ''a economia é um desastre, as finanças públicas estão sob pressão e a política está completamente podre''. Isso impulsionaria o candidato, mesmo que ele não seja visto como o nome ideal para resolver estes problemas.

A “Economist” é uma das publicações mais respeitadas do mundo, e pode ser vista ao mesmo tempo como um reflexo e uma referência para o pensamento das elites política e econômica do Ocidente. Apesar da postura muito crítica a Bolsonaro, ela tem uma linha editorial muito próxima do pensamento do mercado internacional, e bem longe da esquerda política.

“Para a revista importa estabilidade”, explica a socióloga Camila Maria Risso Sales, que fez seu doutorado sobre o histórico da cobertura que a revista faz sobre o Brasil. “A visão da ‘Economist’ é mais positiva sobre o Brasil se a política econômica do país se aproxima mais do viés liberal defendido pela revista”, disse a pesquisadora, em entrevista concedida ao blog Brasilianismo em 2016.

Um exemplo claro disso é a postura adotada pela publicação durante o governo de Dilma Rousseff. Em março de 2016, antes do impeachment, a “Economist'' assumiu a defesa do fim do governo de Dilma. Segundo um editorial, a presidente havia se tornado inapta a governar, e deveria renunciar.

A derrubada do governo Dilma foi foco de várias reportagens e editoriais da publicação, que demonstrou uma postura com nuances a respeito da decisão.

Por um lado, a revista argumentou que a renúncia era uma saída melhor para a política brasileira e rejeitou a ideia de que o impeachment poderia ser comparado a um golpe de Estado. Por outro lado, um texto publicado após a saída de Dilma criticava o processo e dizia que tratava-se de um “jeitinho para burlar a Constituição”.

Com ataques a ambos os lados da polarização brasileira, a postura da “Economist” é de crítica mais ampla ao sistema político do país, que é fonte de instabilidades. Em vários dos textos em que analisa a crise dos últimos anos, a revista chama o sistema político brasileiro de excessivamente fragmentado, o que gera cacofonia de vozes e ideologias. O ideal, diz, seria uma reforma de toda a política do país.

A melhor forma de entender o que a “Economist” pensa é entender o modelo liberal de política econômica. Segundo Sales, a publicação alterna historicamente sua cobertura sobre o Brasil em momentos entusiasmo e de decepção dependendo do rumo tomado pela política econômica adotada pelo governo brasileiro.

“A 'Economist' alterna momentos entusiasmo e de decepção com o Brasil. Isso aconteceu em diversos momentos, em governos diferentes. O segundo governo Lula foi, por exemplo, um momento em que o noticiário era muito positivo. A gestão de Dilma Rousseff não foi vista com tanto otimismo”, complementou Sales.

Após a saída de Dilma, A revista escreveu vários textos mais favoráveis ao cenário político brasileiro, apoiando as reformas propostas pelo governo de Michel Temer, mas o otimismo do passado não voltou. A considerar as análises sobre a candidatura de Bolsonaro e sua liderança nas pesquisas, o pessimismo pode dominar por mais tempo.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil