PUBLICIDADE
Topo

Comparar possível impeachment de Dilma a golpe é falso, diz 'Economist'

Daniel Buarque

02/10/2015 10h26

'Economist' diz que comparação de impeachment com golpe é falsa

'Economist' diz que comparação de impeachment com golpe é falsa

Dizer que um eventual impeachment da presidente Rousseff seria equivalente a um golpe de Estado é uma falsidade, segundo uma análise publicada nesta semana pela revista "The Economist".

"No mínimo, seria o reconhecimento de que ela ganhou seu segundo mandato com a falsa promessa de continuar com seus gastos sociais", diz a revista, que avalia a situação econômica e política do país.

A opinião se alinha a uma perceptível mudança de tom na imprensa internacional. Depois de passar meses criticando qualquer menção à ideia de interrupção do governo Dilma, nas últimas semanas a mídia do resto do mundo publicou análises em que avaliam que o impeachment é uma possibilidade real.

Os jornais estrangeiros, entretanto, evitam apoiar abertamente o impeachment sem que haja provas de crimes da presidente. E a "Economist" faz o mesmo nesta semana: "A não ser que haja claras evidências de transgressão, o impeachment seria profundamente divisivo", explica.

A edição da revista avalia o caos econômico e político que se instaurou no país desde o princípio do ano. Apesar de aprovar a mudança de política econômica do segundo mandato de Dilma, a "Economist" ressalta que o governo nunca deu ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy, a liberdade que ele gostaria de ter para equalizar as contas públicas e lutar contra a recessão.

Segundo a análise, as crises na política e na economia alimentam uma à outra, sem permitir uma saída clara para a situação atual. "Em vez de resolver a questão econômica, a prioridade de Dilma se tornou a sobrevivência", diz.

É importante destacar que a "Economist", uma das mais influentes publicações do mundo, tem a tendência histórica de alternar momentos de expectativa com críticas sempre que o modelo da política econômica do governo brasileiro se aproxima ou se afasta dos ideais "pró-mercado", segundo a pesquisa de doutorado da socióloga Camila Maria Risso Sales.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Daniel Buarque vive em Londres, onde faz doutorado em relações internacionais pelo King's College London (em parceria com a USP). Jornalista e escritor, fez mestrado sobre a imagem internacional do país pelo Brazil Institute da mesma universidade inglesa. É autor do livro “Brazil, um país do presente - A imagem internacional do ‘país do futuro’” (Alameda Editorial) e do livreto “Brazil Now” da consultoria internacional Hall and Partners, além de outros quatro livros. Escreve regularmente para o UOL e para a Folha de S.Paulo, e trabalhou repórter do G1, do "Valor Econômico" e da própria Folha, além de ter sido editor-executivo do portal Terra e chefe de reportagem da rádio CBN em São Paulo.

Sobre o Blog

O Brasil é citado mais de 200 vezes por dia na mídia internacional. Essas reportagens e análises estrangeiras ajudam a formar o pensamento do resto do mundo a respeito do país, que tem se tornado mais conhecido e se consolidado como um ator global importante. Este blog busca compreender a imagem internacional do Brasil e a importância da reputação global do país a partir o monitoramento de tudo o que se fala sobre ele no resto do mundo, seja na mídia, na academia ou mesmo e conversas na rua. Notícias, comentários, análises, entrevistas e reportagens sobre o Brasil visto de fora.