Topo
Blog do Brasilianismo

Blog do Brasilianismo

Voto 'contra todos' tem potencial de criar futuro turbulento para o Brasil

Daniel Buarque

07/10/2018 07h09

O sentimento antipolítico, "contra tudo o que está aí", cresceu de forma surpreendente no Brasil desde 2013 e tem o potencial de ser um fator decisivo nas eleições deste domingo, criando um caminho (no mínimo) turbulento para o país.

O resultado da disputa polarizada, em que a moderação foi escanteada do debate, deve levar a uma transformação do sistema político construído no país desde o fim da ditadura, e no curto prazo vai ser difícil alcançar a estabilidade necessária para o país tentar ser levado a sério no resto do mundo.

Durante um painel entre acadêmicos que analisam o Brasil com a perspectiva internacional, em Oxford, na véspera da eleição, a percepção em geral era de que Jair Bolsonaro tem grandes chances de ser eleito presidente — levado não apenas pelo tradicional antipetismo, mas em grande parte por ele simbolizar este sentimento "contra todos".

Por conta de declarações do candidato, o cenário leva a preocupação com a democracia do país. E mesmo que o Brasil não se torne uma ditadura declarada é preciso estar atento para proteger direitos e garantias para o país.

"Podemos ter esperança de que as instituições vão resistir a um caminho turbulento", avaliou o cientista político Timothy Power, diretor do programa de estudos brasileiros da Universidade de Oxford. O comentário fez parte de uma mesa redonda no encerramento da 7ª conferência Oxbridge de estudos brasileiros.

Segundo Power, a política brasileira parece estar se "americanizando" com uma polarização dos eleitores, o que acabou enfraquecendo alternativas "de centro", como a candidatura de Geraldo Alckmin. O PSDB, diz, paga o preço de ter apoiado o governo de Michel Temer. "Alckmin é a Hillary Clinton do Brasil, um candidato muito ligado ao establishment em uma eleição contra o establishment", disse.

Neste contexto, Bolsonaro conseguiu se colocar do lado das duas forças decisivas nas eleições deste ano: o voto contra o PT e o voto contra todos. "O PSDB achou que ia herdar o sentimento antipetista, mas foi Bolsonaro que conseguiu isso", disse Power. "O vento sopra a favor dele", completou, e ele tem grandes chances de chegar ao poder.

O debate sobre eleições encerrou a conferência multidisciplinar que contou com apresentações de pesquisas importantes conduzidas em algumas da principais universidades do mundo a respeito do Brasil. A atenção com a questão das eleições esteve presente durante todo o dia, entretanto, refletindo parte da atenção internacional dada à escolha do próximo presidente do país.

A maior parte da cobertura da imprensa internacional e das análises de estrangeiros a respeito da eleição destaca a ascensão de Bolsonaro, seu perfil e declarações antidemocráticos, e os riscos disso para o país. Editoriais de importantes publicações, como a revista "The Economist", o jornal "The Guardian" e a capa de vários jornais franceses alertam para o que é visto como um "flerte com o fascismo".

O "New York Times" descreve a eleição como sendo marcada pela "raiva e frustração" dos eleitores. O jornal o chama de candidato de "extrema-direita", provocador e populista, que foi capaz de canalizar o ressentimento com a política tradicional no país. O "Guardian" fala em medo da volta da ditadura no Brasil.

Apesar do tom de preocupação com esta radicalização, a análise externa da política brasileira indica que a fragmentação do sistema, com um Congresso também formado por este sentimento antipolítico, e a necessidade de conseguir apoios para ter governabilidade geram a necessidade de que um eventual governo de Bolsonaro tenha que apelar ao "centrão", o que pode exigir moderação da postura antidemocrática.

A erosão da democracia no Brasil preocupa analistas, entretanto, mesmo que a perspectiva não seja de transformação do país em uma ditadura.

Segundo Malu Gatto, pesquisadora do pós-doutorado em ciência política da Universidade de Zurique que também participou do debate em Oxford sobre eleições e democracia no país, a candidatura de Bolsonaro legitimou o discurso do ódio no país, o que é muito perigoso. "Podemos assistir a um enfraquecimento das instituições, uma deterioração da democracia", disse.

Esta também foi a avaliação Andreza A. de Souza Santos, professora do Centro Latino-Americano de Oxford. "A democracia pode sofrer mesmo sem uma ditadura declarada", disse.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil

Sobre o Autor

Daniel Buarque é jornalista, escritor e fez mestrado sobre a imagem internacional do país pelo Brazil Institute do King's College de Londres. É autor de cinco livros, incluindo “Brazil, um país do presente - A imagem internacional do ‘país do futuro’” (Alameda Editorial) e escreveu o livreto “Brazil Now” da consultoria internacional Hall and Partners. Nascido no Recife, escreve regularmente para o UOL e já trabalhou como editor-executivo do portal Terra, chefe de reportagem da rádio CBN, pauteiro de Mundo da Folha de S. Paulo e repórter do Valor Econômico e do G1.

Sobre o Blog

O Brasil é citado mais de 200 vezes por dia na mídia internacional. Essas reportagens e análises estrangeiras ajudam a formar o pensamento do resto do mundo a respeito do país, que tem se tornado mais conhecido e se consolidado como um ator global importante. Este blog busca compreender a imagem internacional do Brasil e a importância da reputação global do país a partir o monitoramento de tudo o que se fala sobre ele no resto do mundo, seja na mídia, na academia ou mesmo e conversas na rua. Notícias, comentários, análises, entrevistas e reportagens sobre o Brasil visto de fora.