Topo
Blog do Brasilianismo

Blog do Brasilianismo

O Brasil é capaz de cuidar da Amazônia, mas soberania traz responsabilidade

Daniel Buarque

11/09/2019 04h00

Detalhe de capa da revista semanal do jornal britânico The Guardian sobre fogo na floresta

A polêmica internacional sobre os incêndios registrados neste ano na Amazônia e a associação entre o fogo e a péssima imagem do presidente Jair Bolsonaro no exterior transformaram o debate ambiental numa disputa em torno da soberania brasileira. Bolsonaro reafirmou em discurso no 7 de Setembro que "A Amazônia é nossa"; enquanto cada vez mais vozes no resto do mundo discutem abertamente formas de pressionar o Brasil a proteger as florestas –de doações e sanções a 'invasão'.

De acordo com a cientista política americana Kathryn Hochstetler, professora de desenvolvimento internacional da London School of Economics (No Reino Unido), a soberania brasileira sobre a Amazônia é um fato inquestionável. A questão mais importante, segundo ela, é outra: "Essa discussão deveria ocorrer menos em função da soberania e mais em função da responsabilidade", explicou.

"Claro que o Brasil tem a soberania sobre o território, mas com soberania vem responsabilidade. Se você vai insistir em soberania brasileira sobre a Amazônia e para os outros ecossistemas brasileiros, então o Brasil tem a responsabilidade de lidar bem com isso. E muitas vezes o Brasil tem assumido essa responsabilidade e feito coisas boas para o ambiente. É uma responsabilidade que vem com a soberania", disse.

A entrevista foi concedida no fim de julho durante a gravação da série documental "Brasil,Terra
Estrangeira", que vai tratar da importância de pesquisas sobre o Brasil realizadas em universidades estrangeiras e do trabalho de brasilianistas –como a própria Hochstetler. A produção é uma parceria do blog Brasilianismo com a produtora brasileira Pomona Audiovisual.

Autora do livro "Greening Brazil: Environmental Activism in State and Society", sobre o ativismo ambiental no país, Hochstetler estuda a Amazônia e outras questões ambientais no Brasil desde os anos 1980. Segundo ela, a pressão atual do resto do mundo sobre o Brasil tem relação com a figura de Bolsonaro, mas também pode ser entendida por um novo momento da preocupação global com questões ambientais.

Segundo ela, além de ter a soberania, o país tem condições de proteger a floresta. "O Brasil hoje tem capacidade de lidar com a Amazônia. A questão é saber o que o Brasil quer fazer."

Leia abaixo a entrevista completa.

Brasilianismo – Você estuda a Amazônia desde 1989. Acha que o que está acontecendo na floresta atualmente é diferente do que houve no passado?
Kathryn Hochstetler – Não é a primeira vez que tem muita coisa acontecendo no mundo ambiental brasileiro. Isso sempre tem muita atenção e interesse internacional. Quando fui para o Brasil pela primeira vez, em 1989, também havia muitos incêndios na Amazônia e as entidades internacionais estavam preocupadas com a floresta. Também naquela época havia uma resposta do Brasil de que era uma questão interna do país. Então o momento atual não é tão novo. Para mim, o interesse pelo meio ambiente brasileiro não é tão ligado a esses momentos em que o mundo todo está de olho. É algo que é interessante todo dia, todo ano. Tem sempre coisas acontecendo. E tem coisas mais importantes do que esses momentos que todo mundo presta atenção.

Sempre estou atenta a processos de avaliação de impacto ambiental, o processo de avaliar o impacto das atividades econômicas, as mobilizações da sociedade civil, as decisões rotineiras, diárias. Essas coisas sempre merecem atenção. São elas que fazem o pano de fundo para esses momentos em que todo mundo presta atenção.

Algumas coisas têm mudado nesses 30 anos em que tenho olhado a Amazônia brasileira. A possibilidade de ter dados é uma delas. Antes a gente não sabia a taxa anual de desmatamento, o que começou em 1988. Agora tem um monte de informações, de dados, os cientistas brasileiros mais do que tudo têm acompanhado todo esse processo.

Outra coisa que mudou muito é que havia uma política nova, montada especialmente desde os anos 2000, que conseguiu diminuir a taxa anual de desmatamento. O Brasil hoje tem capacidade de lidar com a Amazônia. A questão é saber o que o Brasil quer fazer. E isso tem mudado muito. Em alguns anos há um interesse maior em desenvolvimento, em outros o interesse é em sustentabilidade, outras pessoas acham que não há tanta diferença, e que desenvolvimento sem sustentabilidade não é desenvolvimento. Mas há toda uma variedade de perspectivas brasileiras sobre o ambiente.

Brasilianismo – E por que este momento está chamando tanta atenção, a ponto de ser tratado como crise internacional no G7?
Kathryn Hochstetler – O tema da mudança climática está chegando o topo da agenda internacional. Hoje fala-se mais sobre isso do que há cinco ou dez anos. Como o Brasil é tão central na política global sobre ambiente, faz sentido haver tanta atenção. Há outros problemas que têm incêndios até maiores do que o Brasil, mas o Brasil está no foco por conta desse ecossistema carismático que chama muita atenção. Mas a amazônia é um lugar muito complexo e muito importante, que muita gente não entende. Mas chegamos a este momento internacional de maior atenção à problemática ambiental. Tem mais fogo, mas também tem mais atenção.

Brasilianismo – A imprensa internacional tem responsabilizado o presidente Jair Bolsonaro pelo aumento das queimadas. Acha que isso faz sentido?
Kathryn Hochstetler – Com certeza a figura de Bolsonaro faz parte disso. Ele é um presidente que tem chamado muita atenção no mundo, é visto como parte de uma onda de presidentes que estão um pouco fora do normal, que a gente não sabe exatamente o que vão fazer, que rompem com a política normal. As pessoas já estão atentas a Bolsonaro. Ele já tem fama de falar muito sobre o desenvolvimento na Amazônia, ele já cria medo de que ele não vai proteger os indígenas. As pessoas já estão olhando para ele. Então tem muito a ver com isso também. É uma figura que o mundo está acompanhando. É um momento da política brasileira que todo mundo tem interesse.

Brasilianismo – Acha que há motivo para uma preocupação maior do mundo atualmente?
Kathryn Hochstetler – Existe um maior conhecimento sobre a Amazônia e existe uma preocupação de que estejamos perto de um ponto irreversível de destruição da floresta. Estamos chegando a um ponto de inflexão, e depois dele a Amazônia pode realmente secar. Esse aumento do conhecimento científico sobre a Amazônia estar à beira de mudança muito grande aumenta a preocupação.

Brasilianismo – Seu trabalho lida muito com o contraste entre desenvolvimento e sustentabilidade. Qual a melhor forma de equilibrar os dois?
Kathryn Hochstetler – Com certeza existe desenvolvimento que gera níveis de desmatamento e problemas ambientais maiores do que devem ser. É possível fazer coisas como agricultura e mineração na Amazônia de forma a minimizar os problemas. Minha preocupação é que o governo fala como se quisesse maximizar os impactos ambientais, em vez de minimizar eles. O jeito que ele fala de que o ambiente não importa, isso pode criar consequências negativas máximas. Isso é necessário evitar.

Brasilianismo – Qual a importância da Amazônia na projeção internacional do Brasil?
Kathryn Hochstetler – Tenho a impressão de que, por muito tempo, o Brasil não quis ser uma potência ambiental, mas não é possível o Brasil evitar isso. O país tem os recursos, as florestas, os ecossistemas tão importantes, que tem que ser uma potência internacional na área do meio ambiente.

Em 1989, quando comecei a estudar o Brasil, o Brasil resistia a ser uma potência nessa área, mas ao longo dos últimos 30 anos o país muitas vezes liderou o mundo nisso. O país percebeu que este é um assunto importante para o mundo e que eles podem ser uma potência, que é um lugar em que o país fala e o mundo ouve. Em contraste com outros assuntos como segurança e comércio, em que o país não tem uma relevância tão grande, com o meio ambiente o país pode enfim se mostrar uma potência. E os anos em que houve redução do desmatamento, isso era motivo de orgulho, o Brasil podia mostrar isso ao Brasil. O mundo sempre quis um poder grande do Brasil neste assunto, mas o próprio país muitas vezes atuou esse papel com muito orgulho e força, mas em outros momentos, como agora, resistiu a assumir esse papel.

Brasilianismo – Historicamente, acha que o mundo vê com bons olhos a perspectiva ambiental do Brasil?
Kathryn Hochstetler – O mundo sempre acha que o ambiente brasileiro é muito importante, mas nem sempre acha que o Brasil lida muito bem com essa riqueza. Muitas vezes, como agora, o mundo questiona e critica o que o país está fazendo, recomendando mudanças. Quando o Brasil faz coisas boas, também recebe muita estima do resto do mundo. Depende muito do momento.

Brasilianismo – Pela primeira vez em muito tempo está havendo um debate internacional sobre soberania, enquanto o Brasil reafirma a posse do território da floresta. Como fica, neste sentido a ideia de soberania e de ingerência e pressão internacional na floresta? Faz sentido debater de quem é a Amazônia?
Kathryn Hochstetler – No mundo ambiental, há muitas pessoas que acham que o meio ambiente é tão fundamental para o ser humano e a sobrevivência da vida no planeta, que a soberania nacional não deveria ser considerada. Mas, se você acompanha as negociações internacionais, vai ver que quase todos os países do mundo insistem que a soberania nacional tem que ser parte da política internacional do meio ambiente. O Brasil insiste nisso, e a soberania brasileira é um fato. A Amazônia está em terras brasileiras. As negociações internacionais têm dito que a soberania faz parte da política internacional, e que o país tem essa capacidade. Mas na minha opinião, essa discussão deveria ocorrer menos em função da soberania e mais em função da responsabilidade. Claro que o Brasil tem a soberania sobre o território, mas com soberania vem responsabilidade. Se você vai insistir em soberania brasileira sobre a Amazônia e para os outros ecossistemas brasileiros, então o Brasil tem a responsabilidade de lidar bem com isso. E muitas vezes o Brasil tem assumido essa responsabilidade e feito coisas boas para o ambiente. É uma responsabilidade que vem com a soberania.

Brasilianismo – E como o mundo pode pressionar o Brasil a assumir essa responsabilidade?
Kathryn Hochstetler – Os mecanismos mais eficientes são os mecanismos econômicos. E é importante entender que existe pressão dos consumidores europeus por proteção da florestas, mas também há pressões gerais dos mercados internacionais que levam à destruição dos ecossistemas para produzir mais coisas para exportar. As influências internacionais não são só para proteger o ambiente. As influências políticas são só uma parte dessa questão. Não diria que o mundo apenas favorece o ambiente.

Brasilianismo – Estamos falando sobre Amazônia, mas há menos de seis meses, conversamos sobre o desastre ambiental de Brumadinho. Quanto a Amazônia representa da questão ambiental no Brasil e que outros assuntos são também relevantes nessa área?
Kathryn Hochstetler – Desastres ambientais são muito importantes, mas me interesso muito por desastres evitados. Não temos desastres todos os dias. O Brasil tem um sistema normalizado de monitorar, acompanhar, planejar e controlar o ambiente. Isso é muito importante. E nem todos os países têm isso. As pessoas costumam falar de burocracia como uma coisa má, mas a burocracia é uma coisa boa, pois permite o acompanhamento frequente do ambiente. Além disso, estou terminando um livro sobre a questão energética no país, que é um assunto muito relevante também. E precisamos pensar também sobre política ambiental urbano, pois a maioria da população do país vive em cidades, e o ambiente não está só nas florestas.

Brasilianismo – Acha que a crise atual ameaça o papel que o Brasil pode desempenhar em política ambiental no mundo? Qual vai ser o lugar do Brasil nessa questão ambiental no futuro?
Kathryn Hochstetler – O Brasil está em um ponto muito alto nessa questão, ao ter conseguido burocratizar e monitorar o ambiente, mas a perda nessa área vem desde antes de Bolsonaro. Desde 2014, 2015 já começaram os cortes no orçamento, cortes no número de pessoas trabalhando na área. A verba disponível para ciências, por exemplo, caiu muito nos últimos anos. Atualmente o Brasil ainda tem muita capacidade na área, perdendo cientistas. Temo que o Brasil pode vir a ter problemas com isso e perca muito dessa capacidade que construiu. Não é tarde demais agora, mas mais cinco anos assim podem ser suficientes para destruir muito do que o Brasil construiu nessa área. Então estou olhando com preocupação para isso.

Brasilianismo – Mais cedo falamos sobre a relação entre desenvolvimento e sustentabilidade, mas sua última resposta parece indicar que há um outro lado dessa questão, e que o desenvolvimento econômico pode ajudar a investir em sustentabilidade, e que crises econômicas levam a uma destruição maior do ambiente…
Kathryn Hochstetler – Esse é o argumento histórico dos economistas. Mas acho que é um círculo. Ter só prosperidade econômica sem cuidar do ambiente não é sustentável, mas é verdade que mais prosperidade libera recursos para proteger o ambiente também. É um círculo. Queremos um círculo virtuoso, mas pode ser um círculo muito negativo também.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Daniel Buarque vive em Londres, onde faz doutorado em relações internacionais pelo King's College London (em parceria com a USP). Jornalista e escritor, fez mestrado sobre a imagem internacional do país pelo Brazil Institute da mesma universidade inglesa. É autor do livro “Brazil, um país do presente - A imagem internacional do ‘país do futuro’” (Alameda Editorial) e do livreto “Brazil Now” da consultoria internacional Hall and Partners, além de outros quatro livros. Escreve regularmente para o UOL e para a Folha de S.Paulo, e trabalhou repórter do G1, do "Valor Econômico" e da própria Folha, além de ter sido editor-executivo do portal Terra e chefe de reportagem da rádio CBN em São Paulo.

Sobre o Blog

O Brasil é citado mais de 200 vezes por dia na mídia internacional. Essas reportagens e análises estrangeiras ajudam a formar o pensamento do resto do mundo a respeito do país, que tem se tornado mais conhecido e se consolidado como um ator global importante. Este blog busca compreender a imagem internacional do Brasil e a importância da reputação global do país a partir o monitoramento de tudo o que se fala sobre ele no resto do mundo, seja na mídia, na academia ou mesmo e conversas na rua. Notícias, comentários, análises, entrevistas e reportagens sobre o Brasil visto de fora.