Brasilianismo

Editorial do “Guardian” diz que eleição de Bolsonaro é perigo para o mundo

Daniel Buarque

Um editorial publicado pelo jornal britânico “The Guardian” nesta semana classifica como “deprimente” a eleição de um “presidente de extrema-direita” no Brasil e diz que Jair Bolsonaro “representa um perigo claro e real não apenas para seu país, mas também para o planeta”.

O texto de opinião ressalta que o presidente eleito defendeu a ditadura e a tortura no Brasil e falou sobre matar adversários de esquerda, mas alerta que a ameaça vai além do seu país.

“O programa de Bolsonaro, se levado a sério, e suas declarações ambientais, se tomadas literalmente, representam uma ameaça à humanidade. O novo presidente do Brasil toma posse em janeiro com responsabilidade sobre os pulmões do mundo, a Amazônia, e do celeiro mundial, o Cerrado. Ele será capaz de decidir o curso da batalha contra a mudança climática em um momento crítico. Os sinais não são bons”, diz o jornal.

Segundo o “Guardian”, o principal compromisso eleitoral de Bolsonaro era colocar seu governo a favor das grandes corporações agrícolas do Brasil, o que favorece os negócios em detrimento da biodiversidade. “O presidente de extrema-direita eleito também prometeu enfraquecer a aplicação das leis ambientais, enquanto criminaliza o ativismo. É um pacote de medidas que não vai reformar o modelo do capitalismo que está lentamente fervendo a atmosfera, mas acelerar ele.”

O jornal alerta que medidas que acarretem destruição da Amazônia podem gerar reação de investidores da União Europeia, o que também pode ser ruim para a economia brasileira.

“Até agora, o Brasil tem sido uma força moral para o bem ambiental: em grande parte resistindo aos apelos para explorar seus vastos recursos naturais para favorecer investidores, enquanto reúne nações ricas e pobres durante as negociações climáticas. Era o favorito para sediar as próximas negociações climáticas da ONU. Agora, em vez de ajudar, a quarta maior democracia do mundo parece causar danos irreparáveis”, avalia.

Apontado nesta semana como o jornal em que os britânicos mais confiam, segundo uma pesquisa nacional, o “Guardian” assumiu desde antes da eleição uma postura muito crítica em relação a Bolsonaro.

Em abril, bem antes do início oficial da campanha presidencial deste ano, o jornal publicou uma reportagem comparando o então candidato a presidente com Donald Trump, e já o classificou como “perigoso. Meses depois, em um editorial com a opinião da publicação, o jornal voltou à comparação e disse que o brasileiro era “pior do que Trump''. Desde a vitória de Bolsonaro, o jornal tem publicado várias reportagens sobre as definições para o próximo governo e os impactos disso para o Brasil e o resto do mundo.

“Há todos os motivos para pensar que os brasileiros que votaram apressadamente em Bolsonaro se arrependerão”, diz o editorial mais recente.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil