Brasilianismo

Brasil desaba em ranking global de soft power e se torna penúltimo colocado

Daniel Buarque

Décadas de indignação e frustração com a corrupção atingiram seu ponto máximo em 2016, quando uma sucessão de escândalos dominou a política, e a presidente Dilma Rousseff foi trocada, via impeachment, por Michel Temer, que também é acusado de atos ilícitos. Com uma situação tão crítica, o Brasil desabou no ranking internacional que mede o soft power, o ''poder brando'', ''poder suave'' ou ''poder de convencimento'', de acordo com o recém-divulgado relatório anual sobre o tema divulgado pela consultoria britânica Portland.

''O boom econômico da era dos BRIC implodiu, e cidadãos estão raivosos com razão. O risco de o desencanto público se tornar apatia é cada vez maior'', diz o texto da consultoria sobre o Brasil.

Segundo o levantamento, o Brasil é agora o 29º colocado no ranking, penúltimo da lista de 30 países. A classificação é cinco colocações abaixo do 24º lugar registrado no ano passado, quando a consultoria já dizia que o Brasil estava ''no limite do desastre político e econômico''.

Em 2015, primeiro ano do levantamento, o Brasil apareceu ainda melhor do que no ano passado, em 23º lugar.

''O sucessivo declínio no ranking Soft Power 30 sugere que está chegando a hora de o Brasil parar de achar que seu peso global e excelente reconhecimento de marca são garantidos'', diz o estudo.

Segundo a Portland, o Brasil se consolida ainda mais como um país decorativo, com bons aspectos de lazer, mas com sérios problemas.

''Por mais que o Brasil continue sendo para muitos o país do sol, do futebol, do samba e do carnaval, é importante que o governo tome ações decisivas em sua batalha contra a corrupção e reduza os conhecidos custos operacionais de se fazer negócios no Brasil.''

De acordo com a análise da Portland, o Brasil alcançou 47,41 pontos no ranking, menos do que os 47,69 do ano anterior e que os 46,63 pontos conquistados na avaliação de 2015.

Assim, o Brasil pela primeira vez foi ultrapassado pelos outros países dos BRICs, Rússia (26º) e China (25º), e até mesmo pela Grécia (23º).

A Turquia, que passou por uma tentativa de golpe militar e que viu o governo de Erdogan se fortalecer no poder de forma próxima ao totalitarismo no ano passado, é o único país abaixo do Brasil na lista, em 30º lugar e 45,35 pontos)

A lista de 2017 também viu os Estados Unidos (75,02 pontos) perderem a liderança global em soft power e cair à 3ª colocação. Agora a França de Emmanuel Macron aparece em primeiro lugar (75,75 pontos), seguida pelo Reino Unido (75,72 pontos).

O ranking foi desenvolvido pela empresa de consultoria estratégica e de pesquisas de “place branding'' Portland em parceria com o Facebook. Ele é calculado pela combinação de mais de 70 bases de dados de diferentes fontes sobre soft power, classificados em sete categorias: Governo, Cultura, Educação, Envolvimento Global, Empreendimento, Digital, além de pesquisa de opinião. Além disso, foram entrevistadas onze mil pessoas em 25 países para avaliar a interpretação sobre as diferentes nações do ranking.

O estudo mais recente ressalta, entretanto, que foram feitas pequenas mudanças na metodologia, o que pode também ter interferido na classificação registrada pelos países.

O termo “soft power'' foi criado pelo cientista político norte-americano Joseph Nye na década de 1980. Ele faz referência a uma nova modalidade de influência em relações internacionais, mais relacionada à capacidade de convencimento por argumentos de que pela força. Por esta teoria, não basta a um país ter poder militar e bélico para ser uma potência internacional, mas é preciso cativar “corações e mentes'' e convencer outros países a agirem em parceria de forma pacífica.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil