Topo
Blog do Brasilianismo

Blog do Brasilianismo

Em meio a tensões, Mourão defende Bolsonaro em entrevista a jornal francês

Daniel Buarque

2025-04-20T19:13:38

25/04/2019 13h38

Em meio a tensões e ruídos internos no governo de Jair Bolsonaro, o vice-presidente, Hamilton Mourão, concedeu uma entrevista ao jornal francês Le Monde. Mourão defendeu o presidente e "confirmou sua adesão de 100% ao líder da extrema direita brasileira", diz a publicação.

O jornal explica que Mourão passou a ser visto por apoiadores mais radicais do presidente e pelo filho de Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro, como um "potencial traidor", enquanto observadores o veem como um contraponto ao radicalismo no Planalto. A publicação indica, entretanto, que o vice tentou minimizar o seu papel dentro do governo e recusou se colocar como uma alternativa, caso o presidente fosse destituído.

"Eu não tenho um papel importante. Eu sou um auxiliar. Eu não sou nem um agente moderador nem intérprete do presidente", disse.

Mourão argumentou que os problemas registrados pelo governo em seus primeiros cem dias são resultado de um período de aclimatação do presidente. Ele também ressaltou que Bolsonaro chegou ao poder com a saúde debilitada após sofrer um atentado a faca durante a campanha.

"A situação não é tão negativa", disse. "Essas questões ligadas ao Twitter, a seus filhos, são questões menos importantes."

"Em linha com o presidente, Hamilton Mourão também refutou a ideia de que o chefe de Estado é racista, misógino e homofóbico –um fato, no entanto, para seus opositores. 'As pessoas fizeram de Bolsonaro um estereótipo que não corresponde à realidade', minimiza. 'Em certos momentos de sua vida, quando era parlamentar, Bolsonaro expressou opiniões sobre questões controversas relacionadas aos descendentes de escravos, e havia, digamos, discussões com deputadas mulheres e gays, mas isso não quer dizer que ele seja misógino ou homofóbico"', relata o jornal. "Até aqui, nenhuma das suas ações têm preconceito contra minorias", complementou.

Segundo o Monde, o principal alinhamento entre o presidente e o vice aparece quando tratam do período da ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985.

"Assim como Bolsonaro, o vice-presidente se recusa a usar o termo ditadura para evocar o regime que se seguiu ao golpe de 1964 e prefere falar em 'presidências militares'. 'Erros foram cometidos', ele admite. Mas também 'grandes sucessos"', diz o Monde.

Segundo o jornal, o vice também alegou que a ditadura deixou "poucos mortos". "Segundo o relatório da comissão da verdade, há 434 assassinatos ou desaparecimentos políticos e milhares de indígenas dizimados durante a ditadura militar, também marcada por tortura, censura e prisão arbitrária", ressalta a publicação francesa.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil

Sobre o Autor

Daniel Buarque é jornalista, escritor e fez mestrado sobre a imagem internacional do país pelo Brazil Institute do King's College de Londres. É autor de cinco livros, incluindo “Brazil, um país do presente - A imagem internacional do ‘país do futuro’” (Alameda Editorial) e escreveu o livreto “Brazil Now” da consultoria internacional Hall and Partners. Nascido no Recife, escreve regularmente para o UOL e já trabalhou como editor-executivo do portal Terra, chefe de reportagem da rádio CBN, pauteiro de Mundo da Folha de S. Paulo e repórter do Valor Econômico e do G1.

Sobre o Blog

O Brasil é citado mais de 200 vezes por dia na mídia internacional. Essas reportagens e análises estrangeiras ajudam a formar o pensamento do resto do mundo a respeito do país, que tem se tornado mais conhecido e se consolidado como um ator global importante. Este blog busca compreender a imagem internacional do Brasil e a importância da reputação global do país a partir o monitoramento de tudo o que se fala sobre ele no resto do mundo, seja na mídia, na academia ou mesmo e conversas na rua. Notícias, comentários, análises, entrevistas e reportagens sobre o Brasil visto de fora.