Topo
Blog do Brasilianismo

Blog do Brasilianismo

Ignorância sobre o Brasil gera fetichismo por Bolsonaro, diz pesquisador

Daniel Buarque

05/02/2019 04h00

A eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência apreendeu a atenção internacional sobre o país ao longo dos últimos meses. Olhando de fora, desde o início da campanha de 2018, este parece ser o único assunto relevante no Brasil contemporâneo, e explicar o que aconteceu com o país parece uma obsessão de especialistas, acadêmicos e da mídia estrangeira.

Para o pesquisador americano Jeff Garmany, professor do Brazil Institute do King's College de Londres, entretanto, a maioria das explicações se concentram em justificativas muito ligadas à história recente. "É importante olhar para o passado mais distante. Além de dez anos. É preciso olhar para o legado de autoritarismo no Brasil. Isso vem de muito antes da ditadura. É um legado histórico longo", diz.

Segundo ele, esta atenção dada a Bolsonaro nos últimos meses na imprensa internacional vai além do interesse pela história ou a situação real do Brasil e é também fruto de desconhecimento sobre o país no resto do mundo. "A forma como Bolsonaro está gerando fetichismo na imprensa internacional vem em grande parte da forma como o mundo sabe pouco sobre o Brasil. A vitória dele é a coisa que as pessoas sabem sobre o Brasil agora, e por isso ele atrai tanto a atenção", disse.

E parte do trabalho de Garmany como professor e pesquisador é tentar diminuir este desconhecimento sobre o país. Autor do livro recém-lançado em Londres "Understanding Contemporary Brazil" (Entendendo o Brasil contemporâneo), ele diz que o Brasil de hoje, incluindo Bolsonaro, é resultado de um contexto histórico amplo, em que a própria formação da cultura e da sociedade brasileiras tem influência.

O livro foi escrito em parceria com o professor Anthony Pereira, diretor do instituto na universidade inglesa. Ele é resultado da necessidade encontrada por Garmany e Pereira de ter um livro que servisse como referência para o ensino sobre o país no Reino Unido. Após anos de cursos sobre o Brasil na universidade britânica, eles sentiam que faltava uma obra que oferecesse um contexto histórico amplo para explicar a situação do país, e buscaram preencher esta lacuna.

Leia abaixo a entrevista completa

Brasilianismo – Um documentário recente da rede BBC perguntou "O que aconteceu com o Brasil?". Como é possível explicar para estrangeiros o Brasil contemporâneo, o Brasil de hoje?
Jeff Garmany – É preciso olhar para várias questões diferentes que oferecem alguma luz que pode ajudar a contextualizar o que acontece hoje no país. Um dos pontos centrais que pouca gente está observando ao analisar a ascensão de Bolsonaro, a longa crise econômica ou problemas ambientais no país, é que as pessoas raramente olham para um passado mais distante do que dez anos. A ascensão de Bolsonaro é explicada pela corrupção e pela rejeição ao PT, por exemplo, ou pelo apoio de evangélicos. E isso é importante. Mas o que vemos hoje não é apenas resultado da última década. É importante olhar além. Pelo lado político, é preciso olhar para o legado de autoritarismo no Brasil. Isso vem de muito antes da ditadura. É um legado histórico longo. E os fatores citados antes são importantes, mas é preciso entender isso em um contexto mais longo.

Brasilianismo – Como essa situação política é vista fora do Brasil?
Jeff Garmany – O que estrangeiros não conseguem entender em relação à eleição de Bolsonaro é como as pessoas, por mais insatisfeitas que estivessem com o PT, aceitaram votar em alguém que pode dizer e fazer as coisas que Bolsonaro diz e faz. Isso é muito difícil de entender no exterior. Eles entendem a decepção com o PT, entendem a frustração com a economia, entendem a raiva da corrupção. Mas como você consegue votar em alguém com o histórico de Bolsonaro? E isso faz mais sentido quando entendemos este legado de autoritarismo no país. A ideia de ter um líder autoritário não incomoda a muita gente no país, e pode até soar interessante para muitos brasileiros. Existe um legado disso no Brasil.

Brasilianismo – Isso significa que o Brasil contemporâneo não é só Bolsonaro, portanto?
Jeff Garmany – Bolsonaro tem um papel muito pequeno no livro, apenas no final. O livro não é uma tentativa de explicar ele e sua chegada ao poder. Até porque, quando começamos a escrever, não imaginávamos que ele pudesse ser eleito presidente. O que tentamos explicar são questões mais amplas. A forma como Bolsonaro está gerando fetichismo na imprensa internacional vem em grande parte da forma como o mundo sabe pouco sobre o Brasil. A vitória dele é a coisa que as pessoas sabem sobre o Brasil agora, e por isso ele atrai tanto a atenção. Tenho me surpreendido com a atenção que ele tem recebido, como ocorreu em Davos. Isso mostra muita ingenuidade em relação ao Brasil e ignorância sobre a diversidade do país e o legado complicado que ajudam a entender o contexto atual.

Os professores Jeff Garmany (à dir.) e Anthony Pereira, durante o lançamento de 'Understanding Contemporary Brazil'

Brasilianismo – Durante a campanha presidencial, muitos analistas falaram em Bolsonaro como um risco à democracia. Pelo que você diz, a ameaça é maior do que a vitória dele nas eleições?
Jeff Garmany – Sim. A verdadeira ameaça à democracia é este legado de autoritarismo, e não exatamente o próprio Bolsonaro. A democracia pode sobreviver a isso. Torcemos que ela sobreviva. Mas não podemos ter certeza de que ela vai resistir.

De qualquer forma, é importante ressaltar que a democracia é diferente em cada país. A democracia brasileira não precisa ser a mesma coisa que a democracia britânica, ou argentina. A democracia sempre é diferente em cada contexto. A esperança é que vejamos a evolução da democracia no Brasil, expandindo e incluindo mais as pessoas, em vez de exclui-las, que é a grande preocupação atualmente.

Brasilianismo – O livro fala sobre o Brasil contemporâneo, mas estamos falando basicamente sobre política. Que outros assuntos acha que é importante destacar ao explicar, no exterior, o Brasil de hoje?
Jeff Garmany – A política é um assunto fundamental, mas há vários outros que também são importantes. O livro não é uma revisão de eventos contemporâneos. Ele surgiu do nosso trabalho no Instituto Brasil. Precisávamos de um livro que servisse de âncora para nossos cursos, oferecendo contexto e ajudando a criar um debate sobre a situação do Brasil. Ele foi provocado por uma necessidade de ensino, da necessidade de dialogar em inglês com a comunidade da academia e fora dela.

A ideia é entender o contexto mais amplo que levou ao Brasil de hoje. Apesar do título, falamos muito sobre a história de como o Brasil chegou à situação em que está atualmente. Falamos sobre questões de identidade nacional e construção nacional, que são fundamentais para pensar sobre a política dos dias de hoje. Falamos sobre questões ambientais. Falamos sobre movimentos sociais, sobre cultura e espiritualidade. A cada capítulo, tentamos entender o contexto político, econômico, cultural e social que levaram ao Brasil atual.

Brasilianismo – Apesar de tratar de um contexto histórico mais longo, as últimas décadas foram de transformações marcantes no país. Acha que este ritmo de transformações pode continuar? Como pensa hoje sobre o futuro próximo do Brasil?
Jeff Garmany – O período mais recente do Brasil de fato foi marcado por muitas mudanças. Mas, quando olhamos em uma perspectiva histórica mais longa, vemos que o Brasil na verdade não mudou com tanta frequência. Foi o último país a abolir a escravidão, um país que manteve uma monarquia até o fim do século XIX. Na verdade isso explica até porque o Brasil é tão diferente de outros países da América Latina. É um país que evitou mudanças por muitos tempos. E talvez as mudanças registradas mais recentemente sejam o resultado do fim desse legado de continuidade. E de fato atualmente as coisas são mais voláteis. Então imagino que em dez anos no futuro vejamos mais mudanças radicais.

É verdade que o Brasil não acaba com Bolsonaro, como disse Fernando Henrique Cardoso, mas é muito difícil saber onde essa situação vai levar. Bolsonaro é mais um sintoma de questões sociais, da polarização, de um crescimento da direita. E esse contexto pode dar espaço para situações ainda mais extremas. Focar só em Bolsonaro dá mais crédito a ele do que ele merece. Há movimentos políticos e sociais importantes acontecendo no Brasil e no mundo, e que podem determinar o futuro.

Brasilianismo – O livro termina com um texto escrito imediatamente após a eleição de Bolsonaro. Mudaria alguma coisa no que escreveram após um mês do governo dele?
Jeff Garmany – Não. Nosso foco ali era explicar o contexto do que aconteceu, e isso ainda faz sentido. Tentávamos já indicar que ele teria muita dificuldade em levar adiantes suas propostas e promessas. Falar sobre privatizar empresas e abrir o Brasil para o mundo pode soar ótimo, mas, ao começar a levar adiante mudanças deste tipo, ele vai enfrentar o interesse de elites econômicas do Brasil que se beneficiam dos privilégios que o país oferece. Então não vai ser fácil entregar resultados em cima de mudanças sobre as quais ele falava. Era fácil atacar o PT e o governo antes de assumir o poder, mas agora ele vai enfrentar desafios importantes para levar adiante suas propostas.

Brasilianismo – Qual é o maior desafio ao explicar o Brasil para alguém que não conhece o país?
Jeff Garmany – Uma questão que se repete é a de fazer as pessoas no exterior entenderem o tamanho da diversidade do Brasil. O país é conhecido por seu tamanho, e as pessoas têm alguma noção sobre isso, mas a diversidade real é algo de que pouca gente se dá conta. Fazer as pessoas entenderem essas diferenças espalhadas pelo Brasil é um desafio.

Brasilianismo – E o que acha que é mais difícil para as pessoas de fora do país entenderem sobre o Brasil?
Jeff Garmany – Um ponto interessante é que o Brasil é visto de forma geral como um país pobre, então muitas vezes isso é usado para explicar problemas do país, até mesmo o rompimento de uma barragem. Mas isso não é correto, pois não é simplesmente um país pobre, e há muita riqueza lá. As pessoas sabem que há desigualdade, mas não se dão conta da acumulação de capital que existe no país.

Brasilianismo – O documentário recente da BBC perguntou "o que aconteceu com o Brasil?", e o tom de muitas análises externas costuma ser de que as coisas deram errado para o país. Mas a sua análise histórica indica que talvez isso não seja correto, e que, na verdade, não é que as coisas deram errado mais recentemente, mas que houve um período em que parecia que as coisas estavam dando certo. O que aconteceu naquele momento? Estamos falando apenas de um boom de commodities? Por que o Brasil levou as pessoas a acharem que o país estava acertando?
Jeff Garmany – Sem dúvida houve um período em que era evidente a mudança na vida das pessoas, especialmente as de classe mais baixa. Vejo isso claramente em minhas pesquisas no país. Vivi com uma família em Fortaleza por um período. Os pais haviam vivido em casas de taipa no interior, mas eles depois se mudaram para uma favela na periferia de Fortaleza e atualmente eles vivem em um bairro na cidade. A filha deles foi para a universidade. Vemos claramente como em duas gerações a família foi de uma casa de taipa no interior para a a formatura de uma jovem na universidade. Isso é impressionante. Não podemos dizer que isso se deu só por causa de um boom de commodities, mas certamente coincidiu com ele, que ajudou. Mas além disso houve uma política que deu crédito ajudou as pessoas mais pobres e a economia. O problema é que isso não foi feito de forma sustentável. Por um lado as coisas deram certo por um período no Brasil, por mais que o PT tenha ignorado problemas sérios do país. Além disso, o período em que as coisas deram certo ampliou as expectativas das pessoas, e quando as coisas não saíram como elas esperavam o país pareceu viver uma catástrofe. O contexto é amplo, mas essas são questões importantes que precisam ser levados em consideração.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil

Sobre o Autor

Daniel Buarque é jornalista, escritor e fez mestrado sobre a imagem internacional do país pelo Brazil Institute do King's College de Londres. É autor de cinco livros, incluindo “Brazil, um país do presente - A imagem internacional do ‘país do futuro’” (Alameda Editorial) e escreveu o livreto “Brazil Now” da consultoria internacional Hall and Partners. Nascido no Recife, escreve regularmente para o UOL e já trabalhou como editor-executivo do portal Terra, chefe de reportagem da rádio CBN, pauteiro de Mundo da Folha de S. Paulo e repórter do Valor Econômico e do G1.

Sobre o Blog

O Brasil é citado mais de 200 vezes por dia na mídia internacional. Essas reportagens e análises estrangeiras ajudam a formar o pensamento do resto do mundo a respeito do país, que tem se tornado mais conhecido e se consolidado como um ator global importante. Este blog busca compreender a imagem internacional do Brasil e a importância da reputação global do país a partir o monitoramento de tudo o que se fala sobre ele no resto do mundo, seja na mídia, na academia ou mesmo e conversas na rua. Notícias, comentários, análises, entrevistas e reportagens sobre o Brasil visto de fora.