Topo
Blog do Brasilianismo

Blog do Brasilianismo

Para críticos estrangeiros, Bolsonaro faz o Brasil dar as costas ao mundo

Daniel Buarque

11/01/2019 11h38

Uma série de artigos de opinião, editoriais e reportagens com tom crítico às primeiras medidas de política externa do governo de Jair Bolsonaro ganhou destaque na mídia estrangeira nos últimos dias. Textos em alguns dos veículos de imprensa mais respeitados do mundo questionam o encaminhamento de mudanças na diplomacia do Brasil, e chegam a indicar que o país está dando as costas para o resto do mundo e ameaçando o soft power construído nas últimas décadas.

"O caso de amor do Brasil com a diplomacia morreu", diz o título de uma análise publicada pela respeitada revista Foreign Policy nesta semana.

Segundo o texto, assinado pelo professor de estudos políticos do Bard College Omar G. Encarnación, o país era uma liderança no internacionalismo liberal, mas vai agora dar as costas ao mundo.

"Entre as potências emergentes do mundo, o Brasil tem sido um inigualável defensor do que definiu o liberalismo internacional nos anos do pós-guerra, especialmente um compromisso com o multilateralismo, mercados abertos e a defesa de valores liberais, como democracia, diversidade e direitos humanos. A recém-inaugurada administração do presidente Jair Bolsonaro agora promete mudar tudo isso. Embora ganhasse ampla notoriedade por seus comentários racistas, misóginos e homofóbicos, seu legado duradouro pode acabar sendo sua política externa. O resto do mundo não deve subestimar a escala do afastamento do Brasil em relação à ordem liberal internacional", diz o texto.

O artigo lista os avanços alcançados pelo Brasil em política externa nas últimas décadas, alegando que o país havia se tornado uma liderança em questões importantes e progressistas como a defesa da democracia, a luta contra a Aids, o combate à desigualdade e à pobreza, a defesa dos direitos de minorias e mesmo em questões ambientais.

Encarnación argumenta, entretanto, que mesmo com poucos dias de governo o retrocesso trazido por Bolsonaro já está acontecendo.

"O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, um cético sobre mudanças climáticas (ele se referiu ao aquecimento global como uma trama marxista), anunciou que o Brasil sairá do acordo de mudança climática de Paris, algo inconcebível há apenas alguns meses. O Brasil também retirou sua candidatura para sediar a conferência de mudanças climáticas da ONU em 2019. Tudo isso está de acordo com as visões anti-globalistas de Bolsonaro e a postura anti-ambientalista", explica.

"Lamentavelmente, a proteção que muitos esperam reduzir a agenda interna de Bolsonaro fará pouco para reduzir sua capacidade de transformar a política externa brasileira."

Com tom igualmente pessimista, a revista The Economist também enfocou as mudanças da diplomacia brasileira sob Bolsonaro em sua edição mais recente. Segundo a publicação, as contradições trazidas à política externa do país e o posicionamento do novo chanceler colocam em risco o soft power to Brasil.

A revista revisita a história da diplomacia brasileira e o legado construído pelo Barão de Rio Branco e alega que a indicação de Araújo muda a tradição e choca a elite intelectual voltada à diplomacia.

"Os valores defendidos por Rio Branco –paz, moderação, confiança no direito internacional, não-intervenção e o que agora seria chamado de busca pelo soft power– tornaram-se parte integrante da ideia do Brasil sobre si mesmo", explica a revista. "A política externa de Araújo enfrentará o que ele denuncia como 'globalismo', um termo sarcástico em referência à abertura ao mundo", complementa.

Apesar de apontar problemas na política externa do PT, a Economist diz que o encaminhamento do novo governo parece cometer erros. Ao sinalizar uma guinada à extrema-direita, o país se distancia da tradição histórida do país e compromete seu poder global.

"Seu ataque ao 'globalismo' também expõe uma contradição no coração do projeto de Bolsonaro. O poderoso ministro da economia do novo presidente, Paulo Guedes, promete reformas liberais, incluindo a privatização e a abertura do Brasil ao comércio e à competição. A melhor maneira de fazer isso não é se aliar servilmente ao protecionista-chefe na Casa Branca. A posição de Bolsonaro em relação às mudanças climáticas já abalou as chances de a União Europeia concluir um acordo comercial há muito adiado com o Mercosul (ao qual o Brasil pertence)", explica.

A avaliação é semelhante à publicada pelo pesquisador americano Harold Trinkunas em um artigo publicado no site do think tank Brookings logo após a vitória de Bolsonaro. Segundo ele, o novo governo vai destruir o soft power do Brasil.

"Nas últimas décadas, o Brasil procurou influenciar a ordem internacional confiando fortemente no 'soft power' –a capacidade de persuadir outros a se alinharem com suas propostas diplomáticas devido ao apelo do modelo doméstico do Brasil e sua abordagem pacífica para resolver disputas internacionais", explica Trinkunas. Foi através do 'soft power' que o Brasil se tornou mais importante internacionalmente durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, mas desde que Dilma Rousseff chegou ao poder o país vinha perdendo parte deste "poder brando". "No entanto, a eleição de Jair Bolsonaro provavelmente destruirá o que resta do soft power do Brasil no exterior", avaliou então.

Em uma outra crítica internacional à nova política externa do Brasil, a revista digital Slate ironizou o alinhamento imediato do país às políticas de Donald Trump.

Segundo a publicação, um artigo publicado por Araújo nesta semana indica uma contradição entre o que o chanceler diz que o Brasil pretende fazer e os posicionamentos não apenas do próprio Bolsonaro, mas também de Trump –especialmente em relação à democracia.

"Falar de liberdade e democracia sempre pareceu estranho aos funcionários do governo Trump, dada a predileção do presidente por governantes autoritários. Pode ser ainda mais estranho de um funcionário do governo de Bolsonaro, não apenas por causa dos ataques do novo presidente à mídia e grupos minoritários, mas também por causa de seu elogio pelo passado autoritário do seu próprio país", crítica a Slate.

Poucos dias após a posse de Bolsonaro, o jornal americano The Washington Post avaliou que o novo governo iria incluir o Brasil no "eixo de direita de Trump", o que é marcante especialmente na nova diplomacia do país.

"Tudo isso marca uma mudança significativa da política externa anterior do país", diz, citando reportagens do próprio jornal que indicam as transformações da diplomacia brasileira. "É claro que, nos próximos meses, as complexidades da governança podem ultrapassar os imperativos da campanha. Por um lado, os especialistas alertam que Bolsonaro não pode seguir Trump em uma guerra comercial com a China. 'Se a China decidir retaliar e torná-lo um exemplo, os custos de Bolsonaro serão gigantescos', disse ao Post Matias Spektor, que dirige o Centro de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas, uma universidade em São Paulo. 'É uma diplomacia de alto risco – uma aposta cega'."

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil

Sobre o Autor

Daniel Buarque é jornalista, escritor e fez mestrado sobre a imagem internacional do país pelo Brazil Institute do King's College de Londres. É autor de cinco livros, incluindo “Brazil, um país do presente - A imagem internacional do ‘país do futuro’” (Alameda Editorial) e escreveu o livreto “Brazil Now” da consultoria internacional Hall and Partners. Nascido no Recife, escreve regularmente para o UOL e já trabalhou como editor-executivo do portal Terra, chefe de reportagem da rádio CBN, pauteiro de Mundo da Folha de S. Paulo e repórter do Valor Econômico e do G1.

Sobre o Blog

O Brasil é citado mais de 200 vezes por dia na mídia internacional. Essas reportagens e análises estrangeiras ajudam a formar o pensamento do resto do mundo a respeito do país, que tem se tornado mais conhecido e se consolidado como um ator global importante. Este blog busca compreender a imagem internacional do Brasil e a importância da reputação global do país a partir o monitoramento de tudo o que se fala sobre ele no resto do mundo, seja na mídia, na academia ou mesmo e conversas na rua. Notícias, comentários, análises, entrevistas e reportagens sobre o Brasil visto de fora.