Brasilianismo

‘Com Dilma e Temer, o Brasil voltou à normalidade de presidentes medíocres’

Daniel Buarque

A presença internacional do Brasil encolheu significativamente nos últimos anos, enquanto o país perdeu prestígio e soft power.

Se isso parece um problema exclusivamente da diplomacia brasileira, o pesquisador Andrés Malamud explica que não, pois trata-se de uma questão muito mais complexa e estrutural: o país tentou ter uma relevância maior do que sua capacidade real permitia.

''A sua retração deve-se parcialmente aos erros na política externa, mas deve-se ainda mais ao fato de o país ter pretendido jogar numa liga maior à permitida por seus recursos materiais'', explicou Malamud em entrevista ao autor deste blog Brasilianismo.

Professor de ciência política da Universidade de Lisboa, Malamud conhece bem este assunto e publicou recentemente um artigo acadêmico sobre a questão: ''Foreign Policy Retreat: Domestic and Systemic Causes of Brazil’s International Rollback'' (Recuo da política externa: Causas domésticas e sistêmicas do retrocesso internacional do Brasil) foi publicado no projeto ''Rising Powers in Global Governance''.

Para o pesquisador, o Brasil até conseguiu se promover em escala global nas décadas de 1990 e 2000 por conta da ação de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, ''presidentes excepcionais'', mas voltou a uma situação medíocre desde que eles deixaram o poder.

''Com Dilma e Temer, o Brasil voltou à normalidade dos presidentes medíocres: daí a perda de imagem internacional e soft power.''

Brasilianismo – Acha que pode-se falar em encolhimento da presença do país no mundo nos últimos anos?

Andrés Malamud – O encolhimento é evidente, não é opinião.

O Brasil tem menos protagonismo, e por vezes até nem participa, em reuniões ou foros de alto nível, mesmo sobre questões nas quais o país já foi um ator relevante (como o ambiente).

No nível regional, a UNASUL (uma criação brasileira) e a CELAC estão paralizadas: nem conseguem reunir para tratar a crise venezuelana.

Brasilianismo – Como as crises política e econômicas afetam as relações internacionais do Brasil?

Andrés Malamud – O Brasil, embora seja grande na América do Sul, é pequeno no mundo: a sua capacidade militar está mais próxima da Colômbia que da Índia (para não falar dos EUA, China ou Rússia). A sua participação no comércio internacional não chega a 1,5% (tendo 3% da população mundial) e o seu desenvolvimento científico e tecnológico é baixo.

O aumento do peso internacional do país foi produto da sua capacidade diplomática, quer profissional quer presidencial. As crises domésticas reduziram essa capacidade.

Brasilianismo – O governo de Dilma Rousseff foi muito criticado por não priorizar o trabalho da diplomacia brasileira. Temer assumiu com promessas de mudar isso, mas parece não ter conseguido avançar a agenda de política externa do Brasil. Como você avalia esta mudança desde Lula e o momento atual da diplomacia brasileira?

Andrés Malamud – Este é o meu ponto de desacordo com muitos críticos: mesmo que a gestão diplomática de Dilma tenha sido incompetente e a de Temer seja inexistente (e são!), o ''encolhimento'' do Brasil é estrutural.

A sua retração deve-se parcialmente aos erros na política externa, mas deve-se ainda mais ao fato de o país ter pretendido jogar numa liga maior à permitida por seus recursos materiais.

Brasilianismo – O soft power tem sido usado para compreender a ascensão diplomática do Brasil no mundo no século XXI, mas o Brasil acabou de cair 5 posições (da 24ª para a 29ª) no ranking mais recente de soft power da Portland (Soft Power 30). O que explica isso?

Andrés Malamud – O Brasil teve, durante 16 anos, dois presidentes excepcionais: FHC e Lula. A Argentina, por exemplo, há décadas que não tem nenhum dessa hierarquia, ainda menos dois. Com Dilma e Temer, o Brasil voltou à normalidade dos presidentes medíocres: daí a perda de imagem internacional e soft power.

Brasilianismo – Sem soft power, o que sobraria como forma de o Brasil se colocar como uma potência emergente no mundo?

Andrés Malamud – O Brasil é uma potência emergente por causa da sua demografia: com uma população grande (a quinta do mundo) e ainda jovem (ainda tem bastante mais trabalhadores do que pensionados), a sua participação nos fluxos internacionais ainda vai crescer. O que não é certo é que consiga influenciar muito na gestão desses fluxos.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil