Brasilianismo

‘Economist’ defende renúncia de Dilma: ‘Inapta a continuar presidente’

Daniel Buarque

‘Economist’ defende renúncia de Dilma: ‘Inapta a continuar presidente’

‘Economist’ defende renúncia de Dilma: ‘Inapta a continuar presidente’

Na semana em que a mídia internacional publicou mais de uma dezena de editoriais abordando de forma mais crítica (e polarizada) a crise política no Brasil, a revista ''The Economist'' assumiu a defesa do fim do governo de Dilma Rousseff. Segundo um editorial publicado na edição mais recente da revista, a presidente se tornou inapta a governar, e deveria renunciar.

''Esta revista há muito tempo vem defendendo que nem o sistema Judiciário nem votos de políticos interessados no impeachment deveriam decidir o destino da presidente. Mas a nomeação de Lula parece uma tentativa de mudar os rumos da Justiça. Mesmo que esta não tenha sido sua intenção, seria seu efeito. Este foi o momento em que a presidente escolheu defender os interesses do seu grupo político em vez do funcionamento das leis. Assim, ela se tornou inapta a continuar sendo presidente'', diz a revista.

A ''Economist'' diz que continua sem ver bases legais para o impeachment, pois não há provas de crimes cometidos pela presidente. ''Isso parece um pretexto para retirar do poder uma presidente impopular'', diz.

Segundo a publicação, a forma mais rápida de Dilma sair do poder seria a renúncia. ''Sua saída ofereceria ao Brasil a chance de começar de novo'', diz, ressaltando que a mudança na Presidência não resolveria, por si só, os problemas do país. Além disso, destaca que a política do país vai continuar sob suspeita em um governo do vice michel Temer, e alega que o Judiciário ainda tem questões sérias a resolver. A renúncia de Dilma seria só o ''primeiro passo'', explica.

Siga o blog Brasilianismo no Facebook para acompanhar as notícias sobre a imagem internacional do Brasil